segunda-feira, 26 de junho de 2017

SAMPA / FRIO

Sampa com chuva deprê
e eu mergulhando no trio: banho, pijama e cama
me preservando do frio

Estressados buzinam lá fora
como eu em tempo passado
pegando e levando filhos
indo dar aula aflita no carro

Hoje só quero paz : sofá,poesia e viola
Mereço sossego na vida
Não me interessa o mundo lá fora.


    Maat* 2017

domingo, 25 de junho de 2017

DOMINGÃO


Domingo não é favorável
para labuta ou pra versejar
no domingo poesia não vira
é dia gerado pra descansar

Poeta também tem preguiça
sono,indolencia e vadiação
Poeta também fica a toa
curtindo ocioso o seu domingão

        Maat* 2017


EXAURIDA

Para onde vão minhas energias ? Por que acordo cansada ?


Logo de manhã exaurida e prostrada?


O que tenho feito a noite ?
Será que vago por mundos perdida ?



Por que sonhei com animais?

Pavão branco,cobra,jaguar ..? 

Meu sonho parecia zoológico,mas tinha uma história e preciso lembrar.



Fato é que acordei,abatida
 sem energia e apalermada
Só Deus sabe por onde andei
enquanto dormia de madrugada


Maat* 2017

terça-feira, 20 de junho de 2017

EU E A VIOLETA


           Encostei minha mão na violeta
           inspirada na crença plausível
           que nossos elétrons se mesclem
           e o miraculoso se faça possível

                    A violeta me daria beleza
                    simplicidade e aceitação
                    Eu lhe daria amor

                    cuidados sem fim e admiração


                                                                   Maat* 2017

MOMENTO ESPECIAL

Não sou dona da minha vida
do meu dinheiro e da minha vontade
obedeço o fluxo de quem me chama
carente de amor ou de caridade



Em companhia da minha cerveja
cultivo um pouco de privacidade
reabasteço na reflexão

                                                 a energia usada na minha bondade

                                   Esse momento é especial
                                   minha solidão abençoada
                                   entre um gole e um pensamento
                                   sinto a força restaurada



                                                                        Maat* 2017


PRECE HUMILDE

  
        Humildemente clamo ao senhor
        paciencia e persuassão
        preciso aceitar os limites
        de espaços que não me darão

              Aceito o silencio imposto
              com muita resignação
              Meu tempo passou, obedeço
              Fui mãe, sou avó sem razão


                                   Maat* 2017


TRANSEUNTE

Perambulando pra lá e pra cá
bolsa, sacola e casaco na mão
desprovida das minhas coisas
fico dispersa e sem atenção

       Nem espaço tenho  mais
       meus pertences a vagar
       fiquei sem computador
       mas uso a mente e o celular
      

              Peço a Deus que não me tire
              a capacidade de pensar
              fazer rimas,montar versos

              criar temas e inovar

                                              Maat* 2017